Quer passar no ENEM? Descubra com Segredos do Enem 2016!


O Segredos do ENEM é um método de estudos focado em aumentar a capacidade de aprendizado em 9x para conseguir passar nos cursos mais concorridos de universidades FEDERAIS do Brasil através do ENEM. Todo o curso é gravado em vídeo aulas e cada aluno tem um login e senha exclusivo para acompanhar todas as aulas.
  • Baseado em 9 módulos o curso é diferente de tudo que já foi visto sobre métodos de estudo.
  • Aumente sua Capacidade de Aprendizagem em MAIS de 9x e Seja APROVADO no ENEM 2016.
  • Faça como milhares de estudantes e se prepare para o ENEM 2016 com um método de estudos comprovado!




Passar num concurso público em 1 ano! Utopia ou realidade?

 

Apesar da grande maioria dos concurseiros acreditar que isso é algo praticamente impossível, ilusório ou inalcançável, o Guia Prático Para Passar em Concurso Público em 1 Ano foi criado com o objetivo de provar que isso é possível, viável e real.

Não importa se você está começando os estudos para passar em concurso público ou se você tem uma boa estrada já percorrida, o que importa, de verdade, é entender que difícil não é, e nunca foi, sinônimo de impossível.

Você precisa entender e considerar que não existe uma 'receita de bolo' pronta para seguirmos quando o assunto é estudar para concurso público. No entanto, existe sim, um passo a passo que te ensina as técnicas, estratégias e metodologias apontando para a melhor forma de estudar com eficácia a fim de obter resultados nunca antes alcançados. Isso se chama otimização dos estudos, e essa é a proposta do Guia Prático para Passar em Concurso Público em 1 Ano.

Considerando que grande número de concurseiros demoram, em média, de dois a cinco anos para alcançar sua almejada aprovação no concurso escolhido por acreditarem que estão dentro da normalidade, então isso nos leva a crer que vislumbrar a possibilidade viável e real de ter esse sonho realizado em apenas 1 ano de estudo é algo realmente desafiador.

Toda a metodologia ensinada no Guia Prático Para Passar em Concurso Público em 1 Ano foi exaustivamente testada e aprovada durante os cinco anos de concurseiro na vida de Kalebe Dionísio, que colecionou ao longo de todo esse tempo, nada menos do que 8 aprovações com as devidas nomeações, isso sem contar com a sua última nomeação, que não foi registrada no Guia Prático, porque aconteceu após o lançamento do curso. Ou seja, ao todo, até o presente momento, foram 9 aprovações e nomeações reais e concretas, sendo quatro dessas no seu 1º ano de estudo, aplicando todos os métodos, estratégias e técnicas ensinadas no Guia Prático Para Passar em Concurso Público em 1 Ano.

É claro que tudo isso não acontece isoladamente, se faz necessário que você tenha foco, que acredite em você, que tenha disciplina, sem descartar a fé, que é necessária para a nossa própria existência. Portanto, passar em concurso público como resultado de 1 ano de estudo sistematizado objetivando a aprovação, é algo completamente possível, ainda mais se você faz uso do curso que tem mudado a forma de estudar de muitos concurseiros.

Não basta estudar, é indispensável aprender como estudar, otimizando e validando eficazmente todas as horas e dias dedicados aos estudos de maneira que possa colher resultados nunca antes conseguidos.

1 ano parece muito tempo para quem apenas espera, mas o mesmo ano passa velozmente para quem espera estudando e se preparando corretamente para enfrentar e vencer o desafio de cada concurso.
O tempo não para nunca, por isso não devemos esperar demais, porque os milésimos de segundos se transformam rapidamente em segundos, que se transformam em minutos, que se transformam em horas, que se transformam em dias, semanas, meses e..., quando menos se espera, já se passou mais um ano!

O Guia Prático Para Passar em Concurso Público em 1 Ano é todo feito com uma linguagem de fácil entendimento, contendo 12 Módulos, cada módulo com vídeo aulas que ensinam uma metodologia exclusiva, testada e aprovada inúmeras vezes pelo próprio idealizador e criador do curso e por diversos outros aprovados no Brasil, ou seja, é algo que realmente funciona!

Trata-se de uma metodologia abrangente na preparação para qualquer concurso público. Uma das coisas mais frustrantes na vida de um concurseiro é ter que enfrentar reprovação após reprovação quando se acreditou estar fazendo a coisa certa na hora de estudar, mas isso pode ser revertido quando se estuda da maneira certa.

Acontece que nem todas as pessoas sabem como ensinar a maneira correta de estudar, considerando essa verdade, o que dizer então de ser ensinado, passo a passo, por alguém que coleciona 9 aprovações e nomeações em concursos federais?! Isso não te motiva a aprender com quem criou e usou toda a metodologia contida no Guia Prático Para Passar em Concurso Público em 1 Ano?

Até mesmo na hora de pensar nas condições financeiras do concurseiro, o autor do Guia Prático foi sensato e justo quando ousou lançar uma obra tão necessária aos concurseiros e tão valiosa, por um preço inacreditavelmente baixo, um preço aquém do que realmente vale pelo seu teor inteiramente útil. Um preço que chega a ser simbólico, se consideramos tudo o que Kalebe oferece junto com seu curso.

Você pode mudar a forma como encara os concursos públicos pagando R$ 197,00 – cento e noventa e sete reais, sim, apenas R$ 197,00.

Invista em você e na sua capacidade de aprender da forma correta. Não perca mais tempo, porque 1 ano passa muito rápido.

R$ 197,00 é o preço de um sonho, do seu sonho!

Como se não bastasse, o Guia Prático Para Passar em Concurso Público em 1 Ano  ainda traz para você 4 excelentes Bônus, que podem ser baixados para o seu computador:

  • Bônus 1 → 491 Mapas Mentais
  • Bônus 2 → Materiais do Ponto dos Concursos
  • Bônus 3 → +de 200 E-Books Jurídicos
  • Bônus 4 → Curso Completo e Atualizado para Técnico do INSS (Vídeo-aulas + Apostila) 

Você tem um ano inteiro para usar o seu Guia Prático, afinal de contas, se seguir seriamente tudo o que é ensinado, você não vai precisar de mais tempo para ser aprovado.

Percebeu porque você precisa reaprender a estudar da maneira certa? Para colher resultados esperados e nunca mais se frustrar após cada concurso feito. Você não precisa fazer concurso para obter experiência, porque - Concurso se faz PARA passar e ATÉ passar! (Kalebe Dionísio) e nunca apenas para obter experiência, sabemos que a experiência também vem das reprovações, mas não de reprovações como objetivo traçado e sim como resultado da maneira equivocada de estudar.

O Guia Prático para Passar em Concurso Público em 1 Ano é a forma mais fácil, didática e comprovada existente no Brasil de estudar para Concursos Públicos.





Prospecte clientes e aumente as suas chances de vender mais!


A plataforma Tudo em um para deixar voce livre para pensar em negocios, nao em ferramentas. - Modelos de Paginas - Maquinas Criadas - Geracao de Leads - Gatilhos Inteligentes - EAD (Area de Membros) - Integracao com LeadAds - Envio de Notificacoes no Facebook - Aplicativo Movel - Bonus Exclusivos - Formularios de Captura - Dominios e Subdominios - Gatilhos e Links Inteligentes - Lead Score, Tags e CRM - VSL e Carta de Vendas - Relacionamento e Envio de SMS - Criacao de Central de Afiliados Gratis - Envio de Newsletter, Mala Direta e Broadcast


Cônjuge ou companheiro(a) pode usar o FGTS para abater o financiamento?


O cônjuge ou companheiro(a), após o casamento, poderá amortizar as parcelas do financiamento com seu FGTS? Já possuindo os três anos necessários.

A utilização do FGTS entre cônjuges ou companheiros é permitida desde que aquele que não seja o adquirente principal compareça no contrato como co-adquirente. Para que isso ocorra não importa qual o regime de casamento adotado, basta que, após o casamento, você solicite ao banco que realizou o financiamento que faça um aditivo incluindo sua esposa no contrato, o que será averbado também na matricula do imóvel.
O que vale lembrar é que, mesmo sendo possível que os cônjuges utilizem o FGTS, seja para compra, amortização ou mesmo a quitação, existem alguns fatores impeditivos. Digamos, por exemplo, que o cônjuge já tenha um imóvel em seu nome, ele poderia ou não utilizar o seu FGTS? A resposta é que tudo depende do regime de comunhão adotado no casamento.
Veja o quadro abaixo, que mostra quais são esses fatores impeditivos de acordo com cada regime adotado:
RegimeComunicação dos bensSituações que impedem o uso do FGTS pelo cônjuge
Comunhão parcial de bensHá comunicação de todos os bens adquiridos após o casamento.Se o imóvel foi adquirido antes do casamento, somente o cônjuge que é proprietário ou titular de financiamento ativo no âmbito do SFH fica impedido de usar os recursos do FGTS.
Separação de bensNão há comunicação de bens entre o casalSomente o cônjuge que possuir imóvel em local impeditivo ou financiamento ativo no âmbito do SFH fica impedido de usar o FGTS na aquisição
União estávelHá comunicação de todos os bens adquiridos após a união, a menos que exista escritura pública de declaração estabelecendo qualquer outro regime.Se adquirido antes da união, somente o companheiro que é proprietário ou titular de financiamento ativo no âmbito do SFH fica impedido de usar o FGTS.
Comunhão universal/total de bensHá comunicação de todos os bens passados e presentes dos cônjuges, exceto os casos previstos no Código Civil Brasileiro.Se um dos cônjuges for proprietário de um imóvel em local impeditivo ou financiamento ativo no âmbito do SFH, ficam os dois impedidos de usar o FGTS na aquisição.


10 cuidados antes de comprar um imóvel em leilão


1 - Prefira imóveis desocupados. Mais de 90% dos imóveis que vão a leilão ainda não tiveram seus antigos donos despejados. Ao arrematar um deles, o comprador ganha uma carta de arrematação que lhe permitirá solicitar a desocupação. É comum que recursos contra a arrematação ou a execução do imóvel sejam discutidos na Justiça e tornem a desocupação demorada. Se você não está disposto a correr o risco de esperar anos, só compre residências, escritórios ou terrenos desocupados - mas saiba que os preços podem não ser tão vantajosos.

2 - Verifique se há ações judiciais contra a execução. Em geral, a demora na desocupação de imóveis leiloados é causada por liminares obtidas pelos ocupantes. Principalmente em contratos antigos de financiamento de imóveis, é comum que os mutuários reclamem - com razão - de itens como a fórmula de correção das parcelas ou a cobrança de juros sobre juros. O problema é que nem sempre os bancos esperam o julgamento final dessas ações para colocar o imóvel em leilão extrajudicial. Nesses casos, o comprador do imóvel será obrigado a esperar para tomar posse do bem caso o ocupante consiga uma liminar que evite o despejo até o julgamento do mérito do processo. Além de ir ao fórum ou ao cartório verificar se há ações contra a execução, o ideal é também conversar com o ocupante e verificar se ele planeja resistir ao despejo.

3 - Visite o imóvel com antecedência. Pode parecer pouco sensato, mas muita gente ainda assina um cheque de dezenas de milhares de reais sem saber exatamente o que está comprando. Verifique se é necessário entrar em contato com o leiloeiro e fazer um cadastro antes da visita. Faça uma inspeção minuciosa no imóvel, se possível com a presença de técnicos especializados, já que o comprador não poderá devolvê-lo sob a alegação de problemas não-aparentes. No caso de muitos dos imóveis leiloados, o morador se recusa a abrir a porta e permitir a visitação dos interessados. Só é possível conversar com funcionários do condomínio ou vizinhos e tentar apurar as condições de uso. Mas, ao definir o lance, saiba que existe o risco de o interior do imóvel se encontrar em um estado pior do que o esperado. Considere a possibilidade de ter de investir milhares de reais na reforma e seja bastante conservador ao definir o lance justo pelo bem.

4 - Levante as dívidas do imóvel deixadas pelo atual ocupante. É normal que uma pessoa executada pela Justiça ou que teve seu imóvel retomado pelo banco por falta de pagamento também tenha deixado de pagar obrigações como IPTU, taxas e até mesmo o INSS de funcionários responsáveis pela construção ou reforma. O comprador terá de arcar com todas essas obrigações. A única exceção é o condomínio, cuja dívida acumulada poderá ser cobrada do antigo proprietário por meio de ação judicial. Mas não espere um desfecho rápido do processo. Como em qualquer compra de imóvel, outras despesas representativas são de responsabilidade do comprador, como a taxa de registro em cartório, o Imposto sobre a Transmissão de Bens Imóveis (ITBI) e os possíveis custos advocatícios para o despejo do ocupante. Some todas essas despesas e desconte do lance justo a ser apresentado.

5 - Avalie a melhor forma de pagamento. O edital do leilão estabelece as regras de pagamento do imóvel. Essas regras podem ser tanto um facilitador quanto um empecilho para a compra. Muitos leilões não permitem, por exemplo, a utilização do FGTS no pagamento do imóvel arrematado. Também é necessário pagar ao leiloeiro uma comissão adicional de 5% do valor do lance no ato da arrematação. Por outro lado, muitas vezes é possível obter descontos de até 10% se o pagamento for feito à vista. Em geral, é necessário arcar com um sinal correspondente a 30% do valor do imóvel e o saldo devedor pode ser dividido em diversas parcelas. Alguns leilões permitem o financiamento da dívida, mas é necessário contratar o empréstimo com antecedência. Pesquisar os menores juros do mercado e não comprometer mais de 15% da renda mensal com o valor de cada parcela são decisões prudentes, segundo Geraldo Tardin, diretor da Associação Brasileira dos Mutuários de Habitação (ABMH). Lembre-se: se o pagamento não for feito nos prazos previstos, o imóvel pode voltar a leilão.

6 - Preste atenção ao edital. Verifique com antecedência a descrição das condições de venda, o estado de conservação, a forma de pagamento, o preço mínimo, a comissão do leiloeiro, os impostos e o modelo de contrato que será assinado pelas partes. Quem der um lance vencedor e desistir posteriormente ficará impedido de participar de leilões posteriores. A desistência de arrematação sob a alegação de que não há dinheiro para a compra pode ser punida com pena de dois meses a um ano de reclusão, além de multa. Todo o leilão é filmado - e as imagens podem ser usadas como prova.

7 - Desconfie do preço de avaliação do imóvel. Nem sempre o bem vale tanto quanto diz o edital do leilão. Conversar com um corretor que conheça a região do imóvel pode lhe dar um bom termômetro dos preços de mercado. O preço mínimo fixado também não pode ser considerado uma referência, já que muitas vezes corresponde ao prejuízo do banco com o financiamento do imóvel.

8 - Defina um lance máximo e não se empolgue. Não vá ao leilão com a expectativa de comprar um bom imóvel pelo lance mínimo. Quanto melhor a localização e o estado de conservação do imóvel, maior é a chance de que vários interessados se apresentem. De certa forma, o leiloeiro estimula uma disputa acirrada. Em um leilão viva-voz, o interessado apenas levanta a mão e cabe ao leiloeiro dizer o valor do lance. Quando há muitos interessados, o leiloeiro pode elevar o lance em 5.000 reais a cada vez que alguém levantar a mão. Quando percebe que a disputa começa a ficar morna, o leiloeiro passa a aumentar os lances de 500 em 500 reais, evitando que a disputa se encerre rapidamente. É importante não se deixar enganar com as técnicas do leiloeiro e definir um valor máximo de arrematação - que não seja de maneira nenhuma ultrapassado. Lembre-se que há leilões de imóveis todas as semanas. Se não for possível comprar um logo no primeiro leilão, é bastante improvável que não apareçam oportunidades tão boas - ou melhores - no futuro.

9 - Não deixe de registrar o imóvel após a arrematação. Muitos imóveis leiloados possuem outras penhoras - inclusive essa informação deve constar do edital. Para que o bem comprado não seja arrematado em outro leilão, é necessário comunicar a aquisição ao cartório o mais rápido possível. A venda fica registrada na matrícula do imóvel.

10 - Tire todas as suas dúvidas com um advogado. "Não recomenda-se que a pessoa compre qualquer tipo de imóvel sem a consulta de um advogado, muito menos em leilão", afirma Geraldo Tardin, diretor da ABMH. "É o advogado que vai dizer o que é e o que não é um bom negócio."